Manuscrito: “A fera e a bela” | Thaís Lira

“Nunca fiz questão de lhe escrever um livro sobre quem sou. Até tentei falar de mim, mas você nunca deixou. A última palavra era sempre sua. Por respeito, mantive minha postura. Achei -mesmo- que você devia me conhecer melhor. Achei -mesmo- que você devia saber que tinha coisa bem pior. Então, resolvi continuar sendo eu. Destruindo pouco a pouco, aquele projeto seu. Uma hora, você ia me enxergar. Uma hora ia olhar para os meus olhos, e ver quem realmente era, e sou. Não tive pressa. Mas não posso negar que já estava me sentindo um pouco cansado daquela imagem perfeita que você mesma criou. Fazer o quê se a sua estátua quebrou? Desde então, tornei-me seu caos, sua rebeldia sem causa, o motivo de sua fúria, sua maior decepção, o motivo da sua desgraça. Tornei-me o motivo dos pratos quebrados, das malas prontas, dos retratos rasgados. Você gritou pra todo o mundo ouvir que eu não era quem você pensava, que eu não era o que você pensava. Você estava certa. Mas a grande verdade, é que eu não tinha culpa de nada. Não tive culpa de ter sido colocado por você em um altar qual não merecia. Seu pai te avisava, mas você não ouvia. Não tive culpa de ter sido pintado por você, como só você me via. Sua mãe te avisou, a minha também. Então não venha me dizer que você não sabia. Não tive culpa de ter sido visto como não era. Não tive culpa de ter sido o final triste de sua novela. Mas tudo bem, releva! Fique sabendo que até mesmo em contos de fadas, toda bela tem sua fera”.

(“A fera e a bela” – Mudando o Conto | Thaís Lira)

Anúncios

Inspiração do dia | Flores

Primavera:
substantivo feminino
  1. 1.
    estação temperada e amena, entre o inverno e o verão [No hemisfério sul, estende-se do equinócio de setembro (22) ao solstício de dezembro (20); no hemisfério norte, do equinócio de março (21) ao solstício de junho (20).].
  2. 2.
    fig. tempo primordial; aurora.
    “animais que existiram na p. do mundo”

“Minha doce menina, escrevo-lhe este bilhete para desejar-lhe um tanto de amor e paz neste coração tão seu (e tão meu). Tenho repousado meus olhos sobre ti, e enxergo-te murcha. Minha doce menina, aquieta-te. Acalma-te. Escrevo-lhe para desejar-lhe tranquilidade e calmaria. Escrevo-lhe para que te lembres de quem tu és, e jamais te esqueças de quem sou. Minha doce menina, tu és esperada e amada como a Primavera. Sorrio só de imaginar que em algum momento, vais vir. Tens o brilho do sol e da lua em ti. Fostes criada com tanto amor. Por quê não compreendes? Por quê tu não vês que fostes criada e movida, pelas mãos de quem rege o universo? Minha doce menina, venha depressa, volte-se a mim. Fique aqui: bem perto de mim. Minha doce menina, escuta-me: Espero-te. Venha, pois quero fazer-lhe desabrochar em felicidade. Venha! Pois, ainda que estejas murcha, florescerás. Flores-será.
(Flores-será, Thaís Lira)


Gostou desse artigo? Compartilhe Não se esqueça de deixar seu feedback. Caso queira fazer isso, deixe seu comentário aqui no blog, ou envie um e-mail para: pontodalira@gmail.com

Facebook: http://www.facebook.com/blogdalira/
Instagram: http://www.instagram.com/pontodalira/
Twitter: http://www.twitter.com/pontodalira


 

Netfontes_ail_et_fines_herbes_Logo-1

 

 

Contato profissional: Contato@pontodalira.com.br

Semeando sonhos

A vida é uma terra fértil, onde todas as sementes que atirarmos sobre ela, germinarão e florescerão. Isso é um fato. A escolha de semear – seja o quê for – ou de não semear, é nossa. Nos pertence. Temos essa liberdade. Liberdade de escolher. E das muitas sementes que tenho “em mãos” para semear; escolhi semear sonhos. Passei a minha vida inteira, semeando sonhos. E cá estou eu, sendo privilegiada com a oportunidade de realizar cada um deles. Um a um. Um de cada vez. Sem medo, sem pressa. Certa de quê “o quê for pra ser, vai ser” e “o quê tiver que acontecer, vai acontecer”. De verdade. Cá estou eu, seguindo o meu caminho, respeitando a sincronicidade como as coisas acontecem aqui na terra, e em todo o universo. Cá estou eu, me harmonizando com o TUDO e com o TODO. Cá estou eu, em paz; respeitando o tempo de “El Rói”. Entendendo e compreendendo que Ele rege tudo, e contempla todas as coisas. E que deixar tudo em Suas mãos, também é uma escolha. E foi isso que eu escolhi. Escolhi confiar, semear, esperar e receber. Acreditando que mesmo diante de cada uma das minhas vulnerabilidades, Ele continua sendo Senhor. Ele nunca falhou, e nunca irá falhar. E que os planos que Ele tem para mim, são infinitamente mais brilhantes do quê cada um desses, quais eu mesma rascunhei. Cá estou eu, esperando pelo Senhor do tempo, que é especialista em realizar tudo em Seu tempo. O Senhor que vence minhas antecipações, minhas ansiedades, minhas desistências, meu desespero, meus deslizes… O Senhor que me controla, me ensina, me acalma, me faz compreender… E me prepara para receber e realizar todos os meus pequenos e grandes sonhos, e – muito mais que isso – me prepara para viver estes planos perfeitos quais Ele tem, e que são bem melhores e maiores que os meus. Cá estou estou, vivendo e esperando o tempo certo de tudo. Cá estou eu, recebendo de coração aberto, cada uma das bençãos que Ele reservou para mim. Cá estou eu, bem viva, e – inteiramente – pronta para viver exatamente tudo o quê nasci pra viver. Mais uma vez: Confio, semeio, espero e recebo!

“Os olhos de Deus estão sobre os caminhos dos homens,
e Ele contempla todos os seus passos.”
(Jó 34:21)

Por Thaís Lira


 

Gostou desse artigo? Compartilhe ❤ Não se esqueça de deixar seu feedback. Caso queira fazer isso, deixe seu comentário aqui no blog, ou envie um e-mail para: pontodalira@gmail.com 

Facebook: http://www.facebook.com/blogdalira/
Instagram: http://www.instagram.com/pontodalira/
Twitter: http://www.twitter.com/pontodalira