O reinado que construí

O reinado que construí

Me fiz tão presente, que quando me ausentei, você ousou questionar minha presença. Mais uma vez, estava sendo a vítima do império criado e governado, por nada além de um coração inflado. Logo eu, que sempre estive bem ali, sendo inteira pra você. Logo eu, que você nunca prestou atenção, porque estava ocupado demais me fazendo cravar meus olhos na única coisa que te importava – você.. Não te culpo. Me culpo. Meu imediatismo em preencher suas lacunas para te fazer feliz, na ilusória esperança de me fazer feliz, fez de você o que eu mais repudiava – um garoto mimado. Coloquei todos os tijolos. Um a um. Cada vez que não pensei duas vezes para atender ao telefone quando você me ligou, cada vez que respondi no primeiro segundo as suas mensagens, cada vez que o meu mundo era você e para você… Reforcei seu inconsciente coração egocêntrico. Cada vez que ignorei minhas dores e fui correndo ser abraço para você se acolher,

Continue lendo “O reinado que construí”

Anúncios

Um resumo sobre um dia inesquecível

whatsapp-image-2016-09-04-at-17-29-28
Essa imagem foi retirada no intervalo, entre o workshop e o congresso. Algumas pessoas não apareceram na foto. Mas tá todo mundo aí, muito bem representado! E no meu coraçãozinho também! Gratidão! ❤

Todo momento é ímpar em nossas vidas. Eles jamais se repetirão. E apesar de valorizar cada um destes momentos, há alguns deles, que são excepcionais e inesquecíveis. E são exatamente estes momentos que nos impulsiona para frente, e nos faz acreditar que -mesmo com inúmeras experiências- sempre há algo novo a se viver, a experimentar, a compartilhar.

whatsapp-image-2016-09-04-at-16-01-09
Foto: Arquivo Pessoal

Do ano de 2014 ao ano de 2015, tive a oportunidade de ceder um treinamento na cidade de Poá, em São Paulo. O treinamento foi transferido para o grupo de artes de uma Instituição Cristã, denominada IPG. Através desse treinamento, tive a honra de ceder uma palestra em Suzano, para essa mesma instituição, só que na filial da cidade. E foi na cidade de Suzano, neste mesmo evento, que conheci a Tuuty. A Tuuty é lider geral do grupo de artes dessa instituição, e responsável pelo grupo de artes da unidade sede (que está situada aqui em Mogi das Cruzes). Naquele mesmo dia, trocamos contato. Mas durante muitos meses, ficou por isso mesmo.

Então, mudei-me para Mogi das Cruzes. Assim que cheguei na cidade, mandei uma mensagem para a Tuuty, dando a notícia. Não conhecia muitas pessoas por aqui. Mas por sorte e benção, a Tuuty era uma dessas poucas pessoas. Ela celebrou junto comigo. Mas, ficou por isso mesmo. Bom, pelo menos, foi o que pensei.

whatsapp-image-2016-09-04-at-16-01-09-2
Foto: Felipe da Tuuty

Tuuty me enviou um convite, para que eu cedesse o 1º workshop de dança na Sede, durante um congresso que aconteceria no dia 03 de Setembro. Fui pega de surpresa, em um momento que buscava respostas acerca da arte em minha vida. E esse convite, veio como uma resposta muito objetiva. Aceitei o convite de coração aberto. Mas, muito mais do que aceitação de convite, aceitei o desafio! Apesar de já haver participado e realizado muitos workshops especiais, este seria bastante diferente. Tratava-se do 1º realizado aqui, em minha mais nova cidade. E tratava-se de um workshop que receberia 50 inscritos. Para a nossa surpresa, na primeira semana de divulgação, essas vagas esgotaram. Então, abrimos um segundo lote, para 70. Dentro de 2 (dois) dias, o lote esgotou. Encerramos as inscrições. Mas acabou surgindo mais alguns interessados, quais jamais dispensaríamos. Resumindo: Foi o maior workshop qual tive a oportunidade de ceder curadoria, até então. Nem mesmo os workshops realizados pelo Instituto Meraki, tiveram tantas inscrições em tão pouco tempo.

Foi especial. Foi inesquecível. Foi uma grande resposta para a minha vida. E não poderia deixar de compartilhar isso com vocês, com uma mensagem que escrevi naquele dia, horas antes do evento começar:

“Por alguns longos dias, pensei que a arte seria algo passageiro em minha vida. Pensei que tratava-se apenas de uma fase. Fase que, ao mudar de cidade, já não faria mais parte de minha história. Provei da solitude. Senti uma falta absoluta dos meus alunos, de meus companheiros de trabalho, de meus trabalhos relacionados com a arte. Chorei inúmeras vezes, almejando apenas uma direção. Apesar de saber que meu coração pulsava pela arte, estive confusa, se este era realmente o caminho que tinha a ser seguido. Se ‘fazer arte’ e seguir meu coração, era realmente uma atitude provida de sabedoria. Os dias foram se passando, e nada me aconteceu até hoje.

Hoje, sinto que algo renasceu dentro de mim. Sinto que estou me reerguendo de minhas próprias cinzas. Sinto que o Soberano soprou vida sobre algo que pensei que havia morrido. Hoje, pela primeira vez desde que me mudei para a nova cidade, sinto meu coração quase saindo pela boca de tanta emoção. Exatamente como se fosse a primeira vez. Só que dessa vez, enxergo, vislumbro, compreendo, e consigo mensurar a imensa oportunidade que tenho recebido.

Estou aprendendo, que -de fato- existe um tempo determinado para cada coisa. Estou aprendendo que de fato, eu crio minhas rotas, mas o Soberano é quem dirige meus passos. Estou aprendendo que o que penso ser o fim, é na verdade, o recomeço. Gratidão ao Criador por essa dádiva de poder me conectar com tantas novas pessoas. Gratidão ao Criador por esse privilégio de compartilhar um pouco do que recebi na vida com essas pessoas. E por dar a mim, a chance de ser não apenas uma transmissora, mas uma receptora do novo, daquelas coisas que ainda não sei, dos momentos que ainda não vivi, das pessoas quais ainda não conheci. Gratidão, gratidão e gratidão!”


Fica aqui minha imensa gratidão à galera da sede, à Tuuty e seu esposo Felipe (que nos receberam com tanto amor, que nos sentimos em casa), a cada membro do Instituto Meraki que esteve lá comigo, de coração tão aberto quanto o meu. Gratidão à equipe que trabalhou arduamente e com muito amor, para que esse evento acontecesse com excelência. Gratidão às minhas meninas especiais que estiveram lá comigo! Gratidão a cada inscrito e rostinho que doou o alimento para o “Amor é mandamento”. E claro, gratidão a você que me leu até aqui. Você é muito importante pra mim! Acredite.


assinatura-blog-ponto-da-lira

O que você sente por si mesmo?

O QUE VOCÊ SENTE POR SI MESMO - BLOG PONTO DA LIRA

Não se sinta tão mal, por não ser tão bom sempre. Existem bagunças muito positivas.

Desde muito pequena, desenvolvi uma personalidade muito forte. Cheguei a dar muito trabalho aos meus pais, pelo excesso de força que expunha através de meus comportamentos. Cresci sendo uma garota muito geniosa! Era conhecida entre as pessoas, por essa característica (se é que posso chamar de característica). Para mim, tudo precisava estar perfeito (conforme as minhas percepções, é claro!). Sempre fui muitíssimo detalhista, observadora, e perfeccionista. Tanto que quando algo estava diferente do que esperava que estivesse, agia de forma impulsiva tanto sobre mim, quanto sobre os outros. E a longo prazo, tudo isso foi tornando-se cada vez mais negativo. Quando era uma criança, ou uma adolescente; as pessoas a minha volta, relevavam meus comportamentos. Afinal, era”apenas uma criança”, “apenas uma adolescente”. E tudo não passa de uma fase. Mas os anos vão passando. A maioridade já fazia estádia em minha vida. E precisa mudar. Caso contrário, perderia todas as pessoas a minha volta.

Quem te ama de verdade, te aceita como você é.

Apesar de cometer erros, fazia o que estava ao meu alcance para evitá-los. E sempre que cometia algum erro, entrava em um processo doentio, que mais parecia uma mutilação psicológica do que simplesmente culpa ou arrependimento. Sempre fui muito intensa sobre isso (e sobre tudo, confesso!). E apesar de passar por esses processos extremos, não aceitava ajuda externa. Pelo contrário, criei escudos. Sempre que alguém vinha até mim para me ajudar a lidar melhor com essas situações, respondia quase que automaticamente: “Sou assim, e não vou mudar por causa de ninguém”.

Quem te ama de verdade, te aceita como você é. Ok. Mas e você? Se ama e aceita como é?

Daí, a vida vem e vira a gente do avesso. Nos bagunça por completo. De repente, não são apenas nossos livros que estão desalinhados, ou nosso guarda-roupa com as cores fora de escala. A bagunça é caótica e generalizada, bem dentro da gente.  E aí, a gente descobre que -de fato- quem nos ama, nos aceita como somos. Mas esse processo, precisa começar dentro de nós. Jamais seremos verdadeiramente amados, quando não somos capazes de amarmos a nós mesmos.

Exerça o amor próprio. A partir daí, você saberá o que é ser amado verdadeiramente pelo o que você é.

Não conseguia reconhecer isso, mas…  O meu grito por ajuda, começava por meu comportamento. Por mais que vestisse várias armaduras, e fingisse –muito bem– que para mim estava tudo ótimo, uma voz gritava com muita força dentro de mim: “Quero, e preciso mudar! Não amo a pessoa que tenho sido. Não quero ser assim! Este não é meu eu verdadeiro”.

O processo de mudança, não é simples, mas é necessário.

Abri a minha mente, para a desconstrução. Abri minha alma para a cura. Abri meu coração para as mudanças e para o amor próprio. E apesar de saber que há um longo caminho pela frente, já posso afirmar que: Não há nada melhor do que estar bem consigo mesmo. Não há nada melhor do que amar a si.

Quando o amor nos preenche por completo, ele transborda, e invade quem está a nossa volta.

E foi exatamente o que aconteceu comigo. Descobri que só seria verdadeiramente e inteiramente amada pelas pessoas a minha volta, quando passasse a amar verdadeiramente e inteiramente quem realmente era. Ou melhor, descobri que só serei verdadeiramente e inteiramente amada pelas pessoas a minha volta, quando amo quem realmente sou.

E você? O que sente sobre si mesmo?

Gratidão por me ler. É honroso para mim. ❤


assinatura-blog-ponto-da-lira

UPDATE: Infinidade de gotas ♡

 

image
Não sei a quem pertence essa ilustração. Por favor, se alguém souber me avise! Quero e faço questão de dar os devidos créditos ao ilustrador.

Tenho meditado muito (mais do que o normal) a respeito de minha vida e a a respeito dos rumos que tenho tomado sobre ela. E devo confessar que nem um deles, estava em meus planos. Mudar de cidade, começar a trabalhar na agência do meu irmão, voltar a fotografar… Nada disso, fazia parte de meus planos. Acho que é justamente isso, que tem tornado o meu presente tão prazeroso. O novo e os renovos da vida, sempre me atraíram muito!

Teci este mesmo comentário a um amigo. E em sua concepção, estou apenas colhendo tudo o que plantei.  Veja bem, acredito piamente na “Lei da semeadura” (onde você colhe exatamente o que planta), “Na lei do retorno” (onde tudo o que vai, volta), na “Lei da atração” (onde você atrai exatamente o que transmite). Acredito de verdade. Diga-se de passagem, que essas leis “regem” a minha vida.

Justamente por isso, tenho total ciência que todas as dificuldades quais enfrentei em minha vida até o dia de hoje, foram -em sua maioria- de minha responsabilidade. E quando não era responsável por elas, elas me tornavam cada vez mais responsável.

Desde que compreendi a minha responsabilidade no tudo e no todo, passei a compreender os momentos difíceis da vida de uma forma menos dramática. E passei a extrair o melhor de cada uma dessas situações. Hoje, compreendo que as dificuldades são uma maneira de me desconstruir, e são também,  uma porta aberta à reconstrução.

Confesso: Nem sempre plantei coisas boas em minha terra. E naturalmente, nem sempre tive uma germinação e frutos bem sucedidos. Colhi exatamente tudo o que plantei. E falando sobre o meu presente, sinto que estou naquela fase, onde a terra se esvaziou completamente. Colhi tudo o que tinha para colher. Agora, recebo a oportunidade de semear novas sementes. Tenho a oportunidade de realizar um novo plantio. Tenho uma nova chance.

Hoje, percebo que compreendo melhor o tempo e a importância de saber lidar com ele. Aceitei que muitas coisas na vida, são -de fato- para o agora. E se não fizer AGORA, o tempo vai passar e amanhã será completamente diferente. Já outras, sempre terão sua passagem pelo tempo. Sempre serão uma questão de tempo. Como disse o Rei Salomão em Eclesiastes: “há um tempo determinado para cada coisa debaixo do céus”.


Vamos acreditar que:
No tempo certo, todas as sementes quais plantamos com suor e lágrimas, germinarão. A espera é angustiante, eu sei! Pode demorar dias, meses, anos até que elas germinem e possamos finalmente colher nossos frutos. Mas uma coisa é certa: No tempo certo, elas germinarão. E então, a tão sonhada colheita chegará.

É prazeroso pensar sobre a colheita dos bons frutos, não é mesmo?
Todavia, não podemos nos esquecer em hipótese alguma, que -até mesmo durante a colheita- será exigido de nós, muito engajamento, disposição, força e coragem. Só depois disso, usufruiremos dos frutos! E quando isso ocorrer, será sublime. Será surpreendentemente doce. Nos revigorará, nos renovará, nos saciará.

Será como uma garoa que cai sobre nós, depois de termos andado dias e dias em terras secas. Será como aquela “chuva” que quando bate na sequidão de nossa alma, nós até levamos um susto, um choque. Uma sensação estranha de “Será que isso está acontecendo de verdade?”. E no íntimo do nosso ser, aquela certeza de: “Finalmente”.

Mas somos tão pessimistas, não é?

Mesmo diante da certeza, nos enchemos de dúvidas e questionamentos. Começam-se os “E se…”.

E se os frutos estiverem verdes? E se os frutos estiverem podres? E se a tempestade interromper a colheita? E se essa chuva que tem me saciado, for o início de uma grande tempestade? E se for mais uma grande ilusão de sua mente? E se for mais uma felicidade passageira? E se for mais um momento? E se…

E se isso acontecer, vamos começar respirando bem fundo!
Vamos olhar para dentro de nós mesmos, enxergar a força interior que existe em nós, e compreender que NADA nem NINGUÉM (inclusive nós mesmos) poderá nos impedir de viver intensamente a colheita de tudo o que plantamos. NADA nem NINGUÉM poderá cessar nossos Oásis. Vamos acreditar naquela passagem bíblica que diz: “As coisas velhas se passaram. Eis que tudo se fez novo”.  Vamos nos desligar de tudo que nos priva, nos afasta, nos atrasa, nos amedronta, nos prende, nos esmaga, nos faz regredir, nos faz voltar atrás. Vamos nos desligar também do futuro que jamais pertencerá a nós. Vamos livrar a nós mesmos do “E se…”. Vamos trabalhar nossas mentes para: Não depositar energias no que ficou para trás, e tampouco no que ainda não ocorreu.

Vamos vier o AGORA. Vamos colher os frutos, usufruir dos frutos, tomar chuva, molhar a alma. E se for tempestade? Tempestade traz temperança.

Nossa humanidade jamais poderá nos permitir viver o futuro, sem antes termos vivido o agora.  Vamos aceitar e entender os processos da vida. Vamos viver os processos da vida.

E ainda como almas habitando nesses corpos, precisamos compreender que aqui na terra, nada será eterno. Nem mesmo a felicidade. Por mais genial que sejamos, por mais organizados tenhamos sido com relação aos nossos planos, por mais posicionamentos convictos tenhamos… Jamais estaremos 100% certos sobre algo. Devemos sim acreditar em um futuro que nos trará alegria. Devemos sim, mantermos nossos pensamentos positivos sobre isso. Mas, por favor, vamos colocar dentro de nossa mente que nossa maior PRIORIDADE, está e ser feliz HOJE! Não importa se tenhamos feito nossa semeadura há anos atrás ou há dois dias atrás… Não importa se é apenas uma gota ou uma grande tempestade que está caindo sobre nossa terra. Seja como for, devemos usufruir e absorver os prazeres e as lições de cada momento. Por que, por mínimo que sejam, eles podem ser intensos e infinitos. Exatamente como acontece com os oceanos.

Afinal, o que é o oceano se não uma infinidade de gotas?

Disponível em áudio:

 

Com afeto;
Thaís Lira ♡


assinatura-blog-ponto-da-lira

Você é uma pessoa positiva?

VOCÊ É UMA PESSOA POSITIVA - POR THAIS LIRA - BLOG PONTO DA LIRA

Vamos falar sobre positividade e negatividade?

Começo com uma afirmação: Tudo é energia.

Não sei vocês, mas eu, já fui uma pessoa muito negativa. Muitas vezes, sem perceber, quase que de forma involuntária, estava sendo uma pessoa completamente tóxica às pessoas a minha volta, e principalmente: a mim mesma.

A negatividade colocava sobre minhas costas, uma carga tão pesada, que essa mesma carga se espalhava com muita força, por todos os ambientes quais eu frequentava.

Prova disso, era que eu vivia a minha vida, me metendo em intrigas, brigas, confusões. Meu nome estava sempre vinculado a situações delicadas e muito complicadas. Minhas amizades, relacionamentos pessoais e interpessoais, não provavam da durabilidade. Eu sabia que as pessoas tentavam, mas nunca permaneciam ao meu lado por muito tempo.

E por mais que eu dissesse às pessoas que não me importava com tudo isso, a grande verdade, é que eu me importava sim.

O que eu mais queria era simples: Ser amada e aceita.

Mas, pra que isso acontecesse de fato em minha vida, primeiramente: eu precisava me aceitar. Acontece que, no auge de minha insatisfação pessoal, fiz uma analise profunda e verdadeira sobre mim, e não fiquei contente com o que enxerguei. No íntimo do meu ser, eu ansiava por mudanças emergentes. Eu precisava mudar. E eu queria mudar.

O primeiro passo para a mudança, era admitir que estava sobrecarregada de negatividade.
O segundo passo, era ACEITAR que eu não precisava carregar e tampouco suportar essa carga negativa.
Como terceiro passo, precisava me livrar dessa carga negativa de uma vez por todas! Fazendo isso, eu daria espaço e total liberdade à positividade em minha vida.

Ser alguém positivo, é uma escolha. Uma escolha que exige uma mudança de comportamento; desde a maneira como você fala sobre as coisas, e sobre as pessoas, até sua perspectiva sobre elas.

A positividade, nos potencializa para abrirmos inúmeras portas, que até então, estavam fechadas.

Ser uma pessoa positiva, nos leva à concretização de planos, e à realização de grandes sonhos.

A positividade nos leva a enxergar uma OPORTUNIDADE mediante cada uma de nossas dificuldades; sejam elas interiores ou exteriores.

A positividade tem o poder de nos aproximar das pessoas, do Criador de todas as coisas, e principalmente: ela nos aproxima de quem realmente somos.

Não aceite ser uma pessoa negativa.

Não permita que negatividade se infiltre em sua alma, e faça uma distorção em cada uma de suas boas perspectivas. Não deixe que ela se torne um filtro, que funcione como um bloqueio para as coisas grandiosas que você tem a oferecer e a receber.

Acredite em mim: Você pode mudar essa realidade. Você pode mudar agora mesmo.
Abra o seu coração e receba essa oportunidade.

Encerro essa reflexão com a frase de Winston Churchill:

“Um pessimista vê uma dificuldade em cada oportunidade.
Um otimista, vê uma oportunidade em cada dificuldade”.

Transforme cada dificuldade em uma oportunidade para tornar-se uma pessoa melhor e cada vez mais positiva. Uma pessoa próxima de quem você realmente é e veio para ser. Prove do contentamento. Não existe nada melhor do que ser uma pessoa contente. Acredite! Você merece o contentamento. Você merece a felicidade!

Caso tenha preferência, ouça essa reflexão:


FACEBOOK | INSTAGRAM | TWITTER

assinatura-blog-ponto-da-lira

Ela é de Junho

women-portrait-back-lake-2048x1365

Recomendo ter bom fôlego, meu amigo, porque ela vai te roubar a respiração muitas vezes. A maioria delas, de propósito. O impressionante mesmo é como ela consegue deixar a gente em apneia mesmo sem ter a intenção. Só que também é ela que vai te fazer respirar aliviado ao perceber que, a despeito de todos os seus problemas, é ela que está ali por você no fim do dia. Mesmo se você não for religioso, ela vai fazer você se pegar agradecendo por tê-la ao seu lado.

Em alguns dias, ela vai fazer você questionar suas escolhas. Da camisa que você escolheu até a carreira escrita no diploma. Você vai se perguntar o que é que está fazendo com a sua vida até aquele momento, só pra depois vê-la mexer no cabelo daquele jeito e perceber que você não se importa com o que está fazendo, contanto que esteja fazendo com ela.

Independente da idade, você sempre vai se sentir um adolescente ao lado dela. Não é nada com a sua maturidade, rapaz, é que ela já viveu muito e conhece de tudo um pouco. Ela tem gana de saber, e se você ficar um tempo com ela, vai perceber que isso é tão hipnotizante quanto a curva dos lábios que ela tem.

Ela só exige uma coisa: liberdade. Você até pode ser importante para ela, mas nunca será maior que a sua liberdade. Dê a ela espaço, deixe-a respirar. Ela é só dela. Mas se mesmo com toda essa liberdade ela quiser ficar, considere-se um cara de sorte, meu amigo. Poucas pessoas conhecem um amor como o dela.

Você vai imaginar como é o seu beijo um sem contar de vezes, e se tiver sorte, vai descobrir que sua imaginação pode ser bem limitada perto da realidade. Mas devo te alertar, se você der a chance, ela vai ser tão necessária quanto alguma função vital, então cuidado. Não espere dela rotinas calculadas e esqueça os pequenos rituais. Com ela não existe monotonia, nem segurança.

Ao lado dela, você vai se sentir rolando os dados um jogo de azar onde as probabilidades de sucesso são muito pequenas. Ela é um campo minado. Ela é de gêmeos, e eu não faço ideia do que isso possa significar, mas tenho certeza que o sol e todas as estrelas conspiram pra transcrever isso nas linhas subentendidas do seu dia a dia.

O texto acima, não é de minha autoria. Mas confesso que: Gostaria MUITO que fosse. Fica o meu “muito obrigada” ao autor Douglas Cordare do blog Entre todas as coisas, que foi sensível o suficiente, para colocar várias geminianas (como eu) entrelinhas.

Você está provando da felicidade?

você está provando da felicidade - blog ponto da lira

Bonjour, como você está? Espero que esteja tudo bem por aí.
Vamos falar sobre felicidade?

Estamos habituados com esse termo. Vemos e convivemos com pessoas que o usam regularmente. Mas, o que significa o termo “Felicidade”?

blog ponto da lira felicidade

Como pode ver acima, a felicidade é um ESTADO. Ela traduz um sentimento, mediante algo que ocorre dentro de você. A felicidade, tem total relação com satisfação e contentamento. É subjetivo, e relativo. Cada individuo prova da felicidade, a sua maneira. Não existe um formato único de felicidade, um modelo pronto. Isso significa que, se Lucas sente-se feliz recebendo um ótimo salário e andando com o carro do ano, não quer dizer que Paula sinta-se da mesma maneira possuindo essas duas coisas. Talvez, o que deixe Paula realmente feliz, seja um picolé ao lado de sua sobrinha, em um Domingo qualquer. Não existe uma categoria pronta, ou um lugar aonde devemos estar, para que venhamos considerar-nos pessoas felizes. Biologicamente falando, o ser humano sente-se feliz, mediante o resultado de uma atividade neural fluída. Ou seja: Quando algo criado em sua mente, torna-se real. Quando o interior, trabalha de forma harmoniosa e sinérgica com o exterior.
Quando isso não acontece com um ser humano, ele sente-se frustrado e triste.
A felicidade pode ser algo permanente. Tudo dependerá da maneira como você tratá-la e trabalhá-la dentro de você. Se você, por exemplo, vincular a felicidade ao dinheiro, o que acontecerá quando seu saldo estiver negativo? Se você vincula a felicidade ao seu noivo, e apenas a ele, o que acontecerá caso haja o término do relacionamento de vocês? Será que vale realmente a pena, vincular a sua felicidade a algo ou alguém? Por que não trabalhar sua mente, para o contentamento e a gratidão, independente da circunstância que está vivendo?Há quem seja da opinião de que a felicidade está relacionada com os bens materiais e com o dinheiro, daí existirem frases como “O dinheiro não traz felicidade, mas ajuda”, na medida em que o dinheiro é o meio necessário para a satisfação das necessidades materiais humanas; uma vez satisfeitas, o indivíduo tende a ir à procura de produtos que lhe proporcionem maior felicidade. É claro que, os estímulos, serão sempre necessários. Afinal, os momentos, as conquistas, as pessoas… Tudo isso faz parte de sua realidade. Tudo isso, deve deixá-lo contente, satisfeito, feliz.

Você está provando da felicidade?

Dediquei minha manhã de segunda-feira, para criar duas listas, e fazer um comparativo muito honesto entre elas. O exercício me fez tão bem, que resolvi compartilhar com vocês, caso queiram fazer também.

A primeira lista, fui convidada a listar todas as coisas (ou as principais) que me fazem feliz. Já a segunda lista, precisei ser bastante realista, ao colocar as coisas que tenho feito (independente da felicidade que elas têm trazido à minha vida). Ficou mais ou menos assim:

Lista de coisas que te faz feliz:

  • Dançar; em grupo, sozinha, fazendo aulas, ou lecionando.
  • Comer; cozinhar, provar o tempero de minha mãe, cozinar com amigos, e conhecer novas gastronomias.
  • Escrever; seja uma frase para a agência de criação que trabalho, ou um texto enorme para o blog, me deixa muito feliz.
  • Ler; dentro do ônibus, no horário do almoço, durante a madrugada, em todo tempo.
  • Viajar; cidades vizinhas, outros estados, países.
  • Meditar; frequentemente, pela manhã e antes de dormir.
  • Organizar; minha agenda, minha rotina, meu quarto, minha vida.
  • Trabalhos Manuais; artesanatos, desenhos, costuras, etc.
  • Fotografar; de longe, uma de minhas maiores paixões.
  • Compartilhar experiências; seja através de meus textos, aulas, ou rápidas conversas.
  • Colecionar coisas legais; uma das poucas coisas materiais que me atraem.
  • Uma vida equilibrada e saudável; isso me deixa realmente feliz e realizada.
  • Cantar; no chuveiro, com amigos, em áudios no Whatsapp, na rua.
  • Ficar em dia com filmes, séries e seriados.
  • Ser elogiada por algo bom que fiz.
  • Ter as pessoas que amo por perto.
  • Ficar sozinha de vez em quando.
  • Gratidão. 

Lista de coisas que você tem feito:

  • Danço esporadicamente. Dançar, já foi mais que um hobby. Era minha principal fonte de renda, meu trabalho mais importante. Mas, desde que me mudei para Mogi das Cruzes, a realidade mudou um pouco. Tenho sentido uma falta absurda.
  • Comendo muito. Isso é muito verdade! E apesar de estar experimentando novos pratos e temperos, tenho sentido falta de conhecer ainda mais.
  • Escrevendo muito. Em questão de quantidade. Essa é a fase que mais tenho escrito; aqui no blog, em outras mídias, na agência, em meus caderninhos. Realmente, tenho feito isso regularmente.
  • Tenho lido pouquíssimo. Já fui leitora assídua. Só que a preguiça me pegou. Ultimamente, estava lendo apenas textos na internet. Uma vergonha! Estou aplicando um cronograma de leitura em minha rotina. Espero que dê certo.
  • Apesar de estar conhecendo novos lugares, tenho viajado pouco. Este é um de meus maiores sonhos/objetivos/planos de vida. Estar em lugares diferentes, me emociona. Pretendo dedicar mais dinheiro e tempo a isso.
  • Amo a pratica da meditação. E apesar disso, tenho meditado pouco. É impressionante como a meditação melhora minha vida. Percebo que minhas relações ficam muito melhores, quando estou meditando regularmente. Percebo que lido melhore com a vida, quando sigo a prática. E tenho feito muito menos do que fazia no ano passado, por exemplo.
  • Estou super desorganizada. Em todos os aspectos. Preciso melhorar, urgente. Ser desorganizada, me deixa frustrada e triste.
  • Fazem muitos meses que não crio algo. Sinto falta de meus desenhos, minhas bonecas de pano, meus apetrechos todos.
  • Voltei a fotografar. Depois de anos frustrada e tristinha sobre isso, finalmente, voltei. E apesar das dificuldades que tenho enfrentado para me re-adaptar, estou contente.
  • Tenho compartilhado pouco as minhas experiências. Sei que o blog colabora muito com isso. Mas, queria muito criar o canal de uma vez por todas, para poder compartilhar muito mais.
  • Desde que me mudei, minhas coleções estão um caos. Uma pena. Ou não. Talvez, seja a hora de desapegar um pouco. Mas, não posso negar que adquirir um novo sapato, um novo óculos, uma nova caneca, e um novo cartão postal, me deixa estonteante.
  • Minha vida está entrando nos eixos novamente. Preciso melhorar minha saúde, que está meio decadente. Isso me deixa muito triste.
  • Não tenho cantado muito. Sou tímida. Preciso vencer isso.
  • No início do ano, estava super em dia com meus filmes e séries. Voltei para a estaca zero. Estou meio frustrada por isso.
  • Não posso reclamar do não recebimento de elogios. Mas, estou oferecendo pouco. Tenho feito pouco. Sei que posso ser muito melhor do que tenho sido; para amigos, pai, mãe, irmão… Espero melhorar.
  • Desde que mudei para Mogi das Cruzes, não tenho visto as pessoas que amo com frequência. Uma parte desse tempo, foi escolha minha. Porém, a distância não tem colaborado muito com os nossos encontros.
  • Muita gente acha isso estranho, mas estar só, me deixa contente. Consigo meditar, consigo ler, consigo cantar, consigo organizar minhas coisas, consigo refletir sobre assuntos que têm sido recorrentes em meus dias… Gosto muito de estar só, de vez em quando. Diga-se de passagem, que isso é algo que tenho conseguido.
  • Tenho agradecido pouco, reclamado demais. Não gosto disso. Isso é -de longe- uma das coisas mais tristes que tenho a dizer sobre mim. Afinal, sou dessas que acredita piamente de que quanto mais a gente agradece, mais coisas boas acontecem.

Conclusão: Há muitas coisas que me trazem felicidade, e simplesmente, não tenho executado por procrastinação, receio, preguiça, inversão de prioridade. Agora que já sei o que é, pretendo criar estratégias para aplicá-las novamente em minha rotina, e assim, sentir-me cada vez mais contente.

E você? Como ficariam suas duas listas? Que tal montar as suas também? Faça um comparativo entre as duas, e depois disso, tente conciliá-las. Trabalhe sua mente para o contentamento com o seu presente, e acredite que você pode SIM tornar as duas listas, uma só.


ASSINATURA BLOG